• CONTENT
Seja um Associado

comunicação

Mercado 14/06/2018 - por G1

Fux decide esperar negociação entre governo e empresas antes de decidir se suspende tabela de frete mínimo

Ministro do STF é relator de ação de entidade de empresas de transporte de carga, segundo a qual tabelar preços 'fere a economia de mercado'. Advocacia Geral informou ao ministro sobre negociação.

Fux decide esperar negociação entre governo e empresas antes de decidir se suspende tabela de frete mínimo

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu aguardar a negociação entre governo e empresas de transporte de carga antes de decidir sobre pedido para suspender a medida provisória (MP) que instituiu preços mínimos para os fretes.

Na tarde desta terça-feira (12), Fux recebeu em audiência a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e foi informado que o governo negocia a questão.

Fux é relator de ação de autoria da Associação do Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil (ATR Brasil), segundo a qual tabelar os preços "fere a economia de mercado" e amplia a possibilidade de movimentos que tentam pressionar o governo.

Editada pelo governo federal, a MP cria a Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas para "promover condições razoáveis à contratação por fretes no território nacional".

Segundo o texto, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicará duas tabelas por ano (20 de janeiro e 20 de julho) com os preços mínimos dos fretes por quilômetro rodado, levando em conta o tipo de carga e, prioritariamente, os custos do óleo diesel e dos pedágios.

Entre 30 de maio e 7 de junho, o governo publicou duas tabelas. A primeira gerou polêmica entre as transportadoras e, diante disso, a ANTT divulgou novos preços. Os valores, contudo, desagradaram aos caminhoneiros e, assim, o governo revogou a nova tabela.

Diante disso, voltou a vigorar a tabela de 30 de maio, publicada juntamente com a MP. Uma terceira tabela está em negociação.

A edição da tabela de fretes fez parte do acordo do governo com os caminhoneiros para por fim à greve da categoria.

Conforme a Advocacia Geral da União, a negociação está sendo feita entre as empresas de carga e os motoristas autônomos, com acompanhamento do governo, que editou a tabela.

 Nova Ação 

No fim da tarde desta terça, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) anunciou mais uma ação sobre o frete no STF. Até a última atualização desta reportagem, a ação não tinha sido registrada oficialmente no sistema do tribunal.

Na ação, de 29 páginas, a entidade afirma que tabelar o preço do frete é uma afronta ao princípio da livre iniciativa e configura uma interferência do estado em atividade econômica privada, o que contraria o que prevê a Constituição.

A confederação pede liminar (decisão provisória) para suspender a medida provisória até que o plenário do STF decida definitivamente sobre a questão.

"A supressão da liberdade de fixação do valor dos fretes no transporte de cargas rodoviárias, mediante a instituição de uma política de preços mínimos consubstanciada em edição de tabela de aplicação imediata e de natureza vinculativa, com previsão de aplicação de penalidade ao seu infrator, viola frontalmente o texto constitucional", diz a ação.

Para a confederação, a tabela também fere a democracia por não ouvir a população, que é a parte diretamente afetada pelo preço do frete. "Os indiretamente influenciados, todos os brasileiros, também devem participar da elaboração de tal tabela, por meio de consultas públicas e demais formas de participação popular", diz o texto.

Segundo a entidade, o tabelamento encarece os custos da agricultura e levará ao "inevitável aumento de preços que daí advirá, assim como da inflação".

 Multas

Na tarde desta terça, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, se reuniu com representantes de empresas multadas por descumprimento da determinação dele de desbloquear rodovias durante a greve dos caminhoneiros.

Desde que os protestos que paralisaram as rodovias, o ministro deu três decisões aplicando multas que somam R$ 715,4 milhões a 151 empresas.

O ministro considerou que houve "abuso no exercício dos direitos de reunião e greve" devido à obstrução do tráfego em rodovias e vias públicas, impedindo o abastecimento de combustíveis e outros insumos.

Alexandre de Moraes ouviu dos empresários que as empresas não tinham como retirar os caminhões porque estavam sendo bloqueados pelos autônomos em greve, que os valores das multas ficaram muito altos e algumas empresas podem fechar e que jamais houve intenção de desobedecer a decisão do ministro.

Moraes explicou aos empresários que eles podem questionar as multas se considerarem os valores impeditivos ou desproporcionais.

 

leia mais

tv setcepar

Porque se associar ao Setcepar Porque se associar ao Setcepar
Entrevista Fernando Brito Entrevista Fernando Brito
Lançamento MBA - Gestão Estratégica em Transporte Rodoviário de Cargas Lançamento MBA - Gestão Estratégica em Transporte Rodoviário de Cargas

ANUNCIE - Conheça os veículos, formatos e valores

Café da Manhã

Durante todo o ano o Sindicato realiza diversos Cafés da manhã em parceria com algumas empresas, na ocasião produtos e serviços são apresentados às empresas associadas e/ou ligadas à elas.
Em um ambiente mais informal, aproximadamente 80 participantes apreciam a marca apresentada enquanto saboreiam um delicioso e completo café da manhã.
O Evento acontece na Sede do Sindicato, que conta com a estrutura de um moderno salão de eventos. Investindo apenas R$4.000,00, incluindo o café da manhã e todos os serviços, a empresa contratante terá a preocupação em apenas apresentar-se.

Conheça os veículos disponiveis

Café da Manhã

Durante todo o ano o Sindicato realiza diversos Cafés da manhã em parceria com algumas empresas, na ocasião produtos e serviços são apresentados às empresas associadas e/ou ligadas à elas.
Em um ambiente mais informal, aproximadamente 80 participantes apreciam a marca apresentada enquanto saboreiam um delicioso e completo café da manhã.
O Evento acontece na Sede do Sindicato, que conta com a estrutura de um moderno salão de eventos. Investindo apenas R$4.000,00, incluindo o café da manhã e todos os serviços, a empresa contratante terá a preocupação em apenas apresentar-se.

Boletim Impresso

Anuncie no Boletim Setcepar
O Boletim Setcepar faz parte das publicações realizadas pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Paraná aos transportadores, sindicatos, federações, associações de classe entre outros. Os anúncios serão acompanhados de matérias jornalísticas sobre o segmento de transporte de cargas.

Valores dos Anúncios
2º Capa (contra capa): R$2.750,00
3º Capa: R$2.530,00
4º Capa: R$3.300,00
Página: R$2.200,00
Meia Página: R$1.800,00
Um quarto de página: R$1.500,00
Página Dupla: R$3.850,00

Os valores dos anúncios não incluem o design e a produção do anúncio. É responsabilidade do anunciante entregar o material gráfico para sua publicação na sede do Setcepar ou enviar para o e-mail: relacoespublicas@setcepar.com.br
Podem ser estudados valores diferenciados para veiculação anual. Obs.: anúncios sangrados observar mais 5 mm de margem para corte Especificações
Tiragem 5.000 exemplares
Veiculação Mensal
Impressão em alta qualidade OFF-SET 4X4 cores em policromia
Papel Reciclado.
*Para mais informações entre em contato conosco através do telefone (41) 3014-5151.